quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Melhores livros de 2015

  Bom, sei que fazer um melhores de 2015 justo na primeira semana de janeiro me deixa pelo menos uma semana atrasada, mas fazendo minha lista de metas pra esse ano eu coloquei no número um a frequência maior aqui no blog e logo em seguida comecei a pensar em algum motivo pra vir marcar presença.
  Ainda não encontrei muitas maneiras melhores pra começar, terminar, continuar, recomeçar e renovar, (ou qualquer outro verbo) as coisas do que lendo bons livros e é por isso que meu presente de ano novo pra vocês é indicar os 10 melhores lidos no ano passado, pra você começar o ano em boa companhia.
  É bem possível que vocês reconheçam alguns títulos de resenhas anteriormente postadas, porque nunca me aguento de ansiedade e preciso escrever sobre essas paixonites literárias que me encontram ao longo do ano. Mas prometo que aqui é só uma lista com opiniões enxugadas e, no máximo, uma indicação cheia de esperança.
  Segue a lista!
1) Perto do Coração Selvagem - Clarice Lispector 



Esse livro eu decidi ler por acidente, quando o encontrei numa lista intitulada "livros que toda mulher deveria ler" de um blog (que infelizmente já não lembro qual é). Não tanto pelo fato de ser mulher, fiquei super na vontade de ler, achei o título sensacional, e o conteúdo não me decepcionou nem de longe! Foi, com certeza, o melhor livro que já li na vida! É o meu novo bebê de cabeceira e se você tiver uma quedinha mínima pela genialidade excepcional da Clarice Lispector, vai se apaixonar tanto quanto eu.

2) Como Dizer Adeus em Robô - Natalie Standiford




Este é um baby que tem um espacinho só dele no blog, na estante e no meu coração. Foi um releitura com que me presenteei e que me trouxe muito mais amor. É a melancólica e absurdamente linda história de um amor sem convenções. Com ele, aprendi sobre amizade, sobre amor, sobre família, sobre a solidão. Ele foi super recomendado por mim quando o li da primeira vez e a segunda só deixa mais e mais esperanças de que esse mundão quebrado leia essa história pra ajudar a se consertar.


3) Faça amor, não faça jogo - Ique Carvalho



Comprei as crônicas do Ique sentimentalmente desde quando li o texto "Existem amores e amores" no seu blog pela indicação do blog de uma amiga. Vi tanta sensibilidade na simplicidade de crônicas com diálogos... Vi tanta entrega nas histórias pessoais que se compartilha para fazer a sua arte, pra compor a sua própria história na escrita... Me apaixonei. E li o livro inteiro em uma noite. Com lágrimas nos olhos e muito, mas muito amor no coração.


4) Delírio - Lauren Oliver


Gente, esse livro! Logo nas primeiras páginas lança uma bendita de uma metáfora que me arrancou a atenção para todas as outras coisas e me consumiu por inteiro. Devorei. Comi. Dormi. Me apaixonei. Tanto pela proposta futurista, rebelde, cheia de promessas e desencantos, quanto pela ideia de poder pensar no amor como uma doença, porque só assim fui capaz de perceber o quanto o amor é essencialmente necessário nesse mundão aí.


5) Fangirl - Rainbow Rowell


Não posso dizer que foi o livro do ano, mas ele conquistou tanto meu coração que não tenho palavras pra dizer o quanto que todas as pessoas literariamente ávidas desse mundo precisam ler esse livro. Amor! E só!


6) Lola e o Garoto da Casa ao Lado - Stephanie Perkins


Lola foi a história mais mamão com açúcar do ano, e ainda assim, cheia de personalidade - esta imposta pela própria personagem principal que não deixa espaço pra você querer outra coisa que não a sua independência, sua força, sua determinação.


7) Doidas e Santas - Martha Medeiros



Me indicaram Martha Medeiros pelo twitter, num dos meus desabafos sobre precisar ler outra pessoa que escrevesse crônicas e eu sou eternamente grata a este ser humano que se compadeceu e me apresentou essa gaúcha mais que maravilhosa que escreve sobre tudo e te faz rir e se emocionar dentro de parágrafos e mais parágrafos tão pessoais e ainda assim tão universalmente cotidianos que... preciso dizer no que deu?!


8) A Hora da Estrela - Clarice Lispector 


Eu lutei muito contra a inserção de outro título da Clarice nessa lista, mas não teve como escapar porque todo livro que causa crise existencial é, no mínimo, sensacional e esse livro... Jesus amado! Esse livro é profundidade e mais profundidade de um interior tão humanamente possível... Tão humanamente cabível em mim, que eu cedi. Me apaixonei. E cá está!


9) Para Onde Vai o Amor - Carpinejar 


Esse livro me fez pensar sobre o amor. Ele fala bastante do amor de um casal, mas é bem fácil de refletir sobre todos os tipos de amores enquanto se lê as crônicas. É bem fácil continuar lendo sem querer parar, embora você fique várias vezes parado pensando "meu Deus, como é difícil amar alguém!". Carpinejar é profundo, é intenso, é compreensivo e é um cronista ma-ra-vi-lho-so.


10) Clarice, - Benjamin Moser 



2015 foi o ano em que Clarice entrou de vez na minha vida. Ela escancarou as portas do meu coração, não teve o menor pudor e me arrastou para um mar de amor tão infinito e tão absurdo que eu não tinha nem ideia de que era possível sentir por uma pessoa que eu não conheci. Ela mudou o meu ponto de vista sobre conhecer verdadeiramente as pessoas, porque a biografia me tornou capaz de enxergar o quanto ela estava derramada de corpo e alma em cada um dos seus livros. Hoje, eu posso dizer que conheço a Clarice. Essa biografia do Benjamin Moser foi o melhor presente que ganhei ao longo do ano. É mais que uma história inspiradora de uma deusa da literatura, é a história de uma mulher tão humana que se torna tão próxima e tão... tocável. Sou uma pessoa melhor desde que li essa biografia. Espero que você se torne também! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário